Google+ Followers

terça-feira, 30 de julho de 2013

Geografia Humana

RS tem dez cidades entre as cem com maior IDH do Brasil

Em 28º lugar, Porto Alegre é a sétima capital do ranking de Desenvolvimento Humano na ONU

Apenas dez cidades do Rio Grande do Sul estão entre as cem primeiras no ranking que avalia Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) do País, estudo divulgado nesta segunda-feira pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) nomeado "Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013". Porto Alegre é o município gaúcho mais bem colocado, em 28º lugar, e sétima capital.

Carlos Barbosa, na 53ª posição, Três Arroios e Ipiranga do Sul, ambas na 62ª colocação, além de Lagoa dos Três Cantos (71º), Garibaldi (87º), Nova Araçá e Casca - ambas em 92º lugar -, e Ivoti e Santa Maria, as duas na 100ª posição, são as outras cidades do Estado que aparecem na lista. Dom Feliciano, em 4467 º, é pior a cidade gaúcha no ranking, com 0.587.

São Caetano do Sul (SP) está no topo, com 0.862. Melgaço (PA) é a última, com 0.418, entre as 5565 cidades brasileiras. Florianópolis (SC) aparece em terceiro lugar. Além disso, seis cidades catarinenses aparecem mais bem colocadas que a Capital gaúcha na listagem. Entre elas estão Balneário Camboriú, Joinville e Blumenau.

Já entre as capitais brasileiras, a catarinense é a mais bem colocada. Depois aparecem Vitória (ES), Brasília (DF), Curitiba (PR), Belo Horizonte (MG) e São Paulo (SP), todas à frente de Porto Alegre.

A taxa revela o nível de desenvolvimento humano de determinada região. O IDH dos municípios vai de 0 a 1: quanto mais próximo de zero, pior o desenvolvimento humano; quanto mais próximo de um, melhor. A pesquisa considera indicadores de longevidade (saúde), renda e educação.

Dez cidades gaúchas com melhor IDH:

28º - Porto Alegre (IDHM de 0.805)
53º - Carlos Barbosa (IDHM de 0.796)
62º - Três Arroios (IDHM de 0.791)
62º - Ipiranga do Sul (IDHM de 0.791)
71º - Lagoa dos Três Cantos (IDHM de 0.789)
87º - Garibaldi (IDHM de 0.786)
92º - Nova Araçá (IDHM de 0.785)
92º - Casca (IDHM de 0.785)
100º - Ivoti (IDHM de 0.784)
100º - Santa Maria (IDHM de 0.784)

IDHM do Brasil avança 47,5% em 20 anos, mas educação ainda é o maior desafio


A média do IDHM do Brasil teve um expressivo avanço nos últimos 20 anos. Porém, foi constatado que a educação se mantém como o principal desafio do País. Entre 1991 e 2010, o índice cresceu 47,5% no País, de 0,493 para 0,727.

A classificação do IDHM do Brasil mudou de 'Muito Baixo' (0,493 em 1991) para 'Alto' (0,727). É considerado 'Muito Baixo' o IDHM inferior a 0,499, enquanto a pesquisa chama de 'Alto' o indicador que varia de 0,700 a 0,799.

Os dados da educação são o que mais puxam para baixo o desempenho do País. Em 2010, a área teve uma pontuação de 0,637, enquanto os subíndices renda (0,739) e longevidade (0,816) alcançaram níveis maiores.

Educação

Embora seja o componente com pior marcação, foi na educação que mais houve avanço nas duas últimas décadas, ressaltaram os pesquisadores. Em 1991, a educação tinha um IDHM 0,279, o que representa um salto de 128% se comparado à pontuação de 2010. "Saímos de um patamar muito baixo e isso mostra o esforço que o País fez na área", avaliou Marco Aurélio Costa, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), um dos parceiros na realização do estudo. "A gente ainda não está bem, o IDHM educação é o que menos contribuiu e onde temos os maiores desafios para superar", concluiu.

Longevidade

O componente da longevidade, por sua vez, que é calculado pela expectativa de vida da população ao nascer, é a área na qual o Brasil apresenta melhor pontuação. É o único componente que está na faixa classificada pela pesquisa como um IDHM 'Muito Alto', quando o índice ultrapassa 0,800.

Desde 1991 como o subíndice mais bem avaliado, foi também na longevidade em que a variação ao longo dos últimos 20 anos foi menor. O IDHM de longevidade era de 0,662 em 1991, de 0,727 em 2000 e de 0,816, na atual edição.

Renda

Já a renda mensal per capita saltou 14,2% no período, o que corresponde a um ganho de R$ 346,31 em 20 anos. As três instituições que elaboram o Atlas ressaltam que 73% dos municípios avançaram acima do crescimento da média nacional. No entanto, há 11% de municípios com IDHM Renda superior ao do Brasil, "evidenciando a concentração de renda do País".
Nesse link é possível verificar o IDH de todas as cidades brasileiras:
http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/infografico/consulte-o-idh-por-municipios-53621.html


segunda-feira, 29 de julho de 2013

O mapa dos CCs da Assembleia Legislativa do RS

Geografia Política e politizada

A partir de um pedido feito com base na Lei de Acesso à Informação, o parlamento forneceu a Zero Hora dados sobre o setor em que estão lotados 1.147 funcionários com cargos de confiança do parlamento gaúcho. Do total, 690 CCs estão diretamente subordinados aos gabinetes dos 55 deputados. A Assembleia gastou, em junho, R$ 6,9 milhões com o pagamento de CCs. As informações têm por base documento emitido pela Assembleia em 19 de junho. Portanto, mudanças ocorridas a partir desta data (como demissões ou contratações) não estão contempladas na listagem.

Para acessar a lista completa, é só clicar no link abaixo:

Resfriamento global?

Programa Canal Livre da Band do último domingo (29/07/2013) entrevistou o cientista da UFAL, Luiz Carlos Mollion


Muito interessante o programa Canal Livre de ontem (29/07). Algumas das informações dadas pelo professor Luiz Carlos:

"mesmo com o aumento de CO2 na atmosfera terrestre, a temperatura do planeta continuou estável".

"o derretimento das calotas polares não aumentarão o nível do mar".

"a maior concentração de gás carbônico aumenta a produtividade das plantas em até 50%".

"o tsunami no Japão, que devastou a província de Fukushima, pode estar relacionado com a baixa produtividade de energia do sol". 

"existem setores e empresas que estão tirando proveito da "onda verde" que acontece no mundo"

"A tendência do clima é de resfriamento global, nas próximas décadas" 

Vale a pena conferir o programa. Segue abaixo o link do site do Canal Livre:

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Filhos do presidente do Simers estudaram em Cuba


Quanta contradição hein presidente?
O presidente do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), o médico Paulo de Argollo Mendes, possui dois filhos médicos que estudaram medicina em Cuba, de acordo com reportagem publicada na quinta-feira (25) pelo Viomundo. A contradição na informação está no fato de que o sindicato, liderado por Argollo há 15 anos, se posiciona contra a vinda de médicos estrangeiros para o Brasil.
Conforme a reportagem, os filhos do presidente do Simers Paulo Clemente de Argollo Mendes e Marco Antônio de Argollo Mendes, cursaram medicina no Instituto Superior de Ciências Médicas de Camagüey, em Cuba, de 1997 a 2004.
A reportagem informa ainda que em 2005 os filhos de Argollo, entraram na Justiça, em ações separadas, contra a Universidade Federal do Rio Grande do Sul, porque a UFRGS se recusou a validar automaticamente o diploma de médico de ambos.
Questionado pela repórter Conceição Lemes se não era um contrassenso o fato de Argollo execrar a “importação” de médicos, uma vez que seus filhos estudaram em Cuba, Argollo negou possível contradição, relatando que os mesmos fizeram a revalidação do diploma no Brasil e exigiram R$ 20 mil da UFRGS por danos morais.
“Primeiro, porque eles validaram o diploma se eu não me engano em Fortaleza; foi a primeira universidade federal que abriu inscrição. Segundo, quando foram para Cuba, havia um acordo bilateral entre Brasil e Cuba para revalidação automática de diplomas. Enquanto eles estavam lá, o governo Fernando Henrique revogou esse convênio. Então, eles tinham o direito adquirido”, disse o sindicalista ao Viomundo.
Na época, Brasil e Cuba eram signatários de um acordo, cujos Estados-Parte assumiram o compromisso de registro automático dos diplomas emitidos pelas instituições de ensino superior. No Brasil, a decisão foi promulgada pelo decreto presidencial nº 80.419, de 27 de setembro de 1977.
Porém, em 15 de janeiro de 1998, o Brasil comunicou à Unesco o término do pacto, que foi extinto exatamente um ano depois. Em 30 de março de 1999, o então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) revogou o decreto nº 80.419/77.
Conforme o Blog, reiteradas decisões da Justiça Federal negaram os pleitos dos irmãos Argollo. A um deles o juiz determinou ainda o pagamento das custas e honorários advocatícios da outra parte.
Fontes: www.viomundo.com
Pitaco do blogueiro:
O Hospital Regina, de NH, está fechando a única UTI pediátrica do vale dos sinos por falta de pediatras. Onde eles estão? Pois aqui em Gravataí também faltam muitos profissionais dessa área. E o SIMERS não quer médicos estrangeiros, sobretudo cubanos, atuando no Brasil. Mas seu presidente manda seus filhos estudarem lá. Quanta contradição...Talvez o dia em que algum parente desses médicos esperarem horas na fila por atendimento eles perceberão que se faz necessária a presença de médicos nas cidades de médio e pequeno porte. Não é a solução, mas é o paliativo necessário, no momento.

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Absurdo no Colégio Militar, em Porto Alegre

Após ser afastada por discordar de livro didático, professora ganha na Justiça direito de dar aulas
Uma professora de história do Colégio Militar de Porto Alegre conseguiu na Justiça Federal o direito de retomar suas atividades na escola depois de ser afastada por discordar do uso em sala de aula de um livro didático pró-ditadura.
Silvana Schuler Pineda, de 50 anos, se recusou a adotar em classe obras da “Coleção Marechal Trompowsky”, em que, segundo ela, são omitidas violações aos direitos humanos, assassinatos e tortura promovidas pelas Forças Armadas durante o regime militar (1964 – 1985).
Os livros da série são editados pela Biblioteca do Exército. De acordo com Silvana, o golpe de 1964 é explicado como necessário para resguardar a democracia no país diante do avanço do comunismo no governo de João Goulart.
A professora, que integra o quadro de servidores civis da instituição, foi afastada em abril das aulas do nono ano e realocada em um curso preparatório, de frequência opcional, e também em tarefas de planejamento.
Antes disso, ela afirma ter feito críticas ao livro em uma reunião de professores, na qual mencionou que a Associação Nacional de História contesta o uso da obra nas escolas.
A decisão que determinou a volta ao trabalho original foi tomada no início do mês, mas ela só voltará as aulas após o fim do recesso escolar de julho. O juiz federal Gabriel von Gehlen escreveu em despacho que o afastamento foi uma “sanção velada”.
Pitaco do blogueiro:
Nada mais absurdo do que essa medida do Colégio Militar. Cercear o trabalho de uma professora por discordar de um livro didático. Realmente, em nada me espanta o fato de o colégio concordar com o livro didático que trata o golpe militar como benéfico para a democracia do país. Com certeza, liberdade e democracia não estão entre as premissas básicas da educação, naquele estabelecimento de ensino. O Colégio Militar é reconhecidamente uma instituição de qualidade. No entanto, não pode, de maneira nenhuma, impedir uma professora de discordar de um livro didático. A pluralidade de ideias é fundamental, em todos os âmbitos, inclusive no Colégio Militar.


Com taxa de 3,9%, desemprego em Porto Alegre é o menor do País



Índice também é o mais baixo para junho desde 2002, aponta IBGE


A taxa de desemprego na região Metropolitana de Porto Alegre é a menor do País para o mês de junho: 3,9% ante 6,0% da média nacional. Além disso, o índice é o mais baixo desde 2002, segundo a Pesquisa de Emprego e Desemprego (PME) divulgada nesta quarta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na Grande Porto Alegre, a taxa de desocupação permaneceu estável se comparada a maio deste ano e junho de 2012. Atualmente, a população ocupada, de cerca de 1.922 mil pessoas, apresentou estabilidade no mês e no ano. A população desocupada, com aproximadamente 78 mil pessoas, não variou nas comparações mensal e anual.

Em relação às outras cinco capitais pesquisadas pelo IBGE - São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife e Salvador -, Porto Alegre tem o menor índice de desocupação do País. A capital baiana lidera a lista com 8,8%.

Rendimentos

O rendimento médio real da população ocupada na Região Metropolitana de Porto Alegre teve leve alta. Estimado em R$ 1.870,70, em junho de 2013, registrou aumento de 3,2% na comparação mensal e de 6,3% no ano. 

Diferenças das pesquisas do IBGE e Dieese

Assim como a pesquisa do IBGE, a Fundação de Economia e Estatística (FEE), através do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade), também divulga um levantamento mensal sobre o desemprego no País. No entanto, as taxas apresentadas costumam ser diferentes devido aos conceitos e metodologia usados.

Entre as diferenças está o conjunto de regiões pesquisadas. A PME, do IBGE, não inclui as regiões de Fortaleza e do Distrito Federal. Já a PED feita pela FEE, não engloba o número de desempregados da região metropolitana do Rio de Janeiro. 


Pitaco do blogueiro:
Por isso que costumo dizer duas coisas. Uma:Se existe um problema que está superado no Brasil, este, sem dúvidas é o desemprego. Duas: No Brasil só não trabalha quem não quer.

terça-feira, 23 de julho de 2013

Neve transforma paisagem catarinense

Morro do Cambirela, em Palhoça, foi coberto por camada de gelo

A forte massa de ar polar que toma conta de Santa Catarina fez com que nevasse em cidades da Grande Florianópolis, durante a noite de segunda e a madrugada desta terça-feira. O fênomeno proporcionou belas paisagens, principalmente no Morro do Cambirela, em Palhoça, que amanheceu com o topo coberto por uma camada branca.

A montanha com 1.000 metros de altura fica às margens da BR 101. O último registro de neve na cidade foi há 29 anos, em agosto de 1984. Além dela, Rancho Queimado, Alfredo Wagner e Angelina, municípios que também integram a Grande Florianópolis, tiveram registros de neve. Agora já são 56 as cidades do planalto Sul, Norte, Litoral e Oeste do Estado com registro do fenômeno. 

A presença de gelo, inclusive, interditou algumas rodovias no estado vizinho. A neve surpreendeu os moradores de Rio do Sul, maior cidade do alto vale do rio Itajaí. Blumenau, na localidade do Morro do Cachorro, também aparece com registro de queda de neve. Pelo menos nos últimos 30 anos não há registro do fenômeno na cidade.

A neve também foi registrado em São Bento do Sul e Mafra, no Planalto Norte. São Joaquim, no Planalto Sul, considerada a cidade mais fria do Brasil - a 1.376 metros acima do nível do mar - teve seus termômetros marcando -4ºC na manhã desta terça, porém sem registro de neve. 

Segundo os meteorologistas da Epagri/Ciram, principal órgão de acompanhamento climático do Estado, a partir de hoje, o centro da onda de ar polar que se aproxima de Santa Catarina vai empurrar a umidade para a direção do oceano. Com isso, a possibilidade de queda de neve é remota para os próximos dias. Mesmo com abertura de sol, as temperaturas serão ainda mais baixas até quinta-feira, favorecendo o predomínio de intensa geada durante as madrugadas e ao amanhecer.
Fonte: www.correiodopovo.com.br

Joaquim Barbosa se complica de novo



Primeiro ele pagou, com dinheiro público, as passagens de avião da repórter da Globo que foi à Costa Rica cobrir a sua palestra. Depois pagou, de novo com verba pública, passagens para vir ao Rio assistir o jogo entre Brasil e Inglaterra. Não precisou pagar ingresso porque ficou no camarote do Luciano Huck. Logo em seguida descobriu-se que seu filho arrumou um emprego na Globo, no programa de Luciano Huck.
A imprensa continua quieta. Ninguém quer decepcionar o “gigante” que, segundo o Datafolha, idolatra o presidente do STF.
Ninguém quer arranhar a imagem do “menino que mudou o Brasil”, criada pela grande mídia para endeusar o homem que se vendeu ao sistema.
A coisa não pára por aí. O laudo 2424, que investiga a relação entre o fundo Visanet, funcionários do Banco do Brasil e as empresas de Marcos Valério, traz uma denúncia séria: o filho de Barbosa teria trabalhado numa empresa que recebeu milhões da DNA Propaganda. Barbosa manteve o laudo em sigilo absoluto, apesar do mesmo trazer documentos que poderiam provar a inocência de Pizzolato – e prejudicar toda a denúncia do mensalão.
E agora, uma outra novidade: desde 2008, Barbosa usufrui de uma bela sinecura da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ): ganha sem trabalhar. O Estado do Rio já gastou mais de R$ 700 mil em salários para um cidadão que ganha muito bem no Supremo Tribunal Federal.
O Cafezinho, como de praxe, mata a cobra e mostra o pau. Estão aí os documentos que comprovam a situação de Barbosa. Ele deu aula na Uerj normalmente de 1998 a 2002. Em 2003, pede licença-prêmio e permanece até 2008 em licença não-remunerada. A partir desta data, porém, a vida sorri para Joaquim. Além do empregão no STF, da paixão súbita da mídia por sua pessoa, o reitor da UERJ lhe oferece uma invejável situação: passar a receber salários e benefícios mesmo sem dar aulas ou fazer pesquisas.
Consta ainda que Barbosa estaria brigando para receber retroativamente pelos anos que permaneceu de licença não remunerada, de 2003 a 2008. Para quem acabou de receber R$ 580 mil em benefícios atrasados, não seria nada surpreendente se também conseguisse isso.
Os meninos do Movimento Passe Livre estão certos: definitivamente, não são apenas 20 centavos!
www.ocafezinho.com

Fortunati critica reportagem da Zero Hora

Fortunati propõe distribuição gratuita do jornal Zero Hora

Prefeito critica reportagem do jornal, favorável ao passe livre para estudantes e desempregados

José Fortunati publicou em seu blog homônimo um artigo no qual propõe que o jornal Zero Hora seja distribuído de forma gratuita. A sugestão é, na verdade, uma crítica à reportagem do impresso, favorável ao passe livre para estudantes e desempregados. A alegação, de acordo com o prefeito de Porto Alegre, é a menção, no jornal, de que especialistas afirmam que isto é possível a partir do corte de lucro dos empresários. Em função disso, ele escreve: “Perguntei aos ‘especialistas’ se seria possível distribuir a ZH gratuitamente pelas ruas do nosso Estado. ‘É claro’, me responderam os especialistas. ‘Basta cortar um pouco o lucro dos empresários’”.

Em certo momento Fortunati afirma que deseja entrar de cabeça no debate levantado por ZH, “e propor uma revisão geral dos lucros obtidos pelos empresários no Brasil”. E enfatiza: “Este é um debate relevante para todos nós. Relembrei os meus bons tempos de política estudantil e recordei das boas e sólidas discussões que travávamos na busca de um Estado mais justo e igualitário onde a mais-valia deveria ser profundamente questionada”. O prefeito também dá como exemplo a distribuição do jornal Metro e que, por conta disso, resolveu sugerir a gratuidade do jornal do Grupo RBS. Em outro momento, ele diz ainda que pode ser o Diário Gaúcho, para que “os desempregados tenham acesso aos classificados, (...)  para que os fanáticos torcedores da dupla Grenal saibam como anda o seu time, para que os trabalhadores fiquem bem informados”.

O artigo de Fortunati é encerrado garantindo que a realização das licitações para o transporte público dará condições plenas de rediscutir a planilha do preço da passagem. “Mas, antes disso vou consultar ‘os especialistas da ZH’ pois quem sabe eles não ofereçam a fórmula para podermos oferecer passagens grátis para todos?”, questiona o prefeito.
Pitaco do blogueiro:
Interessante a crítica do prefeito José Fortunati. Até ele percebeu o quão incoerente são os editoriais de ZH. E particularmente acho muito divertido ver o prefeito "protegido" da mídia elitista, criticando-a. Imagine se o prefeito fosse de outro partido?

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Corrupção no PSDB de São Paulo

Suposto esquema de propinas que atravessou vários governos do PSDB em São Paulo e que teria envolvido ao menos US$ 50 milhões, diz revista



A revista IstoÉ deste fim de semana traz como matéria de capa reportagem sobre um propinoduto criado para desviar milhões das obras do Metrô e da Companhia de Trans Metropolitanos (CPTM) no estado de São Paulo. O esquema, montado durante os governos do PSDB, envolveria o pagamento de propinas a autoridades ligadas a tucanos.
A denúncia parte do recente acordo feito pela multinacional alemã Siemens com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), no qual, em troca de imunidade civil e criminal, a companhia revelou como ela e outras empresas se articularam para formar cartéis que atuavam nas licitações públicas no setor de transporte sobre trilhos. Mesmo sendo alvo de investigações desde 2008, nada foi feito pelo governo estadual para que a prática criminosa parasse, e as empresas envolvidas continuaram a disputar e ganhar licitações.
A publicação teve acesso a um depoimento de junho de 2008 de um funcionário da Siemens da Alemanha, cujo nome é mantido em sigilo. Ele revela detalhes de um esquema de desvio de dinheiro público que teria envolvido, pelo menos, US$ 50 milhões dos cofres do estado. Segundo o relato, a companhia alemã, após vencer uma licitação, subcontratava outra empresa para simular serviços e, assim, realizar o pagamento de propina.
Isso teria acontecido, por exemplo, em junho de 2002, durante o governo de Geraldo Alckmin, quando a Siemens obteve o contrato para manutenção preventiva de trens da série 3000 da CPTM e subcontratou a MGE Transportes. Conforme planilha de pagamentos da Siemens obtida pela IstoÉ, a companhia germânica pagou à subcontratada R$ 2,8 milhões até junho de 2006, sendo que R$ 2,1 milhões foram sacados na boca do caixa por representantes da MGE para serem distribuídos a políticos e diretores da CPTM. “Durante muitos anos, a Siemens vem subornando políticos, na sua maioria do PSDB, e diretores da CPTM”, diz o funcionário.
Segundo o depoimento, estariam envolvidos no esquema o diretor da MGE, Ronaldo Moriyama, Carlos Freyze David e Décio Tambelli, respectivamente ex-presidente e ex-diretor do Metrô de São Paulo; Luiz Lavorente, ex-diretor de Operações da CPTM, e Nelson Scaglioni, ex-gerente de manutenção do metrô de São Paulo. Ainda de acordo com o depoimento, uma das transações contou com a participação dos lobistas Arthur Teixeira e Sérgio Teixeira, por meio de suas respectivas empresas Procint E Constech e de offshores no Uruguai, Leraway Consulting S/A e Gantown Consulting S/A. No caso em questão, a propina teria sido paga porque a Siemens, em parceria com a Alstom, venceu a licitação para implementação da linha G da CPTM, o que incluiria uma comissão de 5% para os lobistas, conforme contrato ao qual a revista teve acesso, e de 7,5% a políticos do PSDB e a diretores da área de transportes sobre trilhos.
Entre os nomes que apareceram na investigação dos promotores está o de Robson Marinho, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE) nomeado por Mário Covas, e que, no período em que as propinas teriam sido negociadas, trabalhava diretamente com o governador. Marinho foi prefeito de São José dos Campos e participou da coordenação da campanha eleitoral de Covas em 1994, tendo sido chefe da Casa Civil do governo paulista de 1995 a abril de 1997. Promotores de São Paulo e da Suíça identificaram uma conta bancária pertencente a Marinho que teria sido abastecida pela francesa Alstom e o ministério público conseguiu bloquear cerca de US$ 1 milhão depositados.
Duas das principais integrantes do cartel apurado pelo Cade, Siemens e Alstom, faturaram juntas até 2008 R$ 12,6 bilhões em contratos com o governo de São Paulo. Atualmente, além da investigação do Cade, há 15 processos no Ministério Público a respeito do esquema -- aqui a reportagem original.
O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, afirmou que espera "rigor nas investigações" e cobrará o dinheiro que tenha sido desviado dos cofres públicos.

Drauzio Varella e a distribuição de médicos no país

Em artigo divulgado esta semana, o médico e escritor Drauzio Varella revela alguns dados bem interessantes sobre a distribuição de profissionais de medicina pelo país. No momento em que se discute a presença de médicos estrangeiros no Brasil, vale a pena ler.
- Em uma pequena cidade chamada Santa Maria das Barreiras, interior do Pará, há apenas um médico para 18 mil habitantes. Ele é o cardiologista Sérgio Perini, um cubano formado pelo Instituto Superior de Ciências Médicas de Villa Clara, em Cuba. “As pessoas não têm mais a quem pedir ajuda a não ser a mim. Se tiver mais de três casos urgentes para atender imediatamente, como eu faço?”, lamenta Perini.
- Santa Maria das Barreiras está longe de ser uma exceção. Ela divide este drama com milhares de outros pequenos municípios, afirma Drauzio.
- Dados do Conselho Federal de Medicina, citados por Drauzio Varella, mostra que o país tem 388.015 médicos (dados de 2012), média de 1,8 por mil habitantes. A Argentina tem 3,2, Espanha e Portugal, 4 e Inglaterra, 2,7.
- Apenas 8% dos profissionais estão em municípios de até 50 mil pessoas, que formam 90% das cidades do país.
- O resto do contingente está nas grandes regiões. Brasília, Rio e São Paulo têm taxas de 4,09, 3,62 e 2,64 médicos por mil habitantes. No Amapá, a taxa cai para 0,95. No Pará do cubano Perini, 0,84. No Maranhão, 0,71.
- Em 2011, o governo lançou o Programa de Valorização dos Profissionais da Atenção Básica, lembra Drauzio Varella. Médicos recém-formados ganhariam salário inicial de R$ 8 mil. Não foi suficiente. Apesar de.2856 prefeituras solicitarem 13 mil médicos, menos da metade foi atendida.
- Perini, o médico da abertura do texto, diz que aprendeu o conceito de priorizar regiões carentes durante o curso. Por ter aprendido isso, deixou a cidade de São Simão, em Goiás, que tinha 15 médicos para 17 mil habitantes, e foi morar com a família no interior do Pará por um salário menor.
“Quando escuto o CFM falando que os médicos estrangeiros podem não ter formação suficiente, fico indignado. Me dá a impressão de que eles não fazem ideia do que aprendemos por lá”,  lamenta.
- Por último, completa Drauzio Varella: no Brasil há apenas 2 mil médicos especializados em medicina de família cadastrados. A maioria prefere seguir o caminho de outras especializações. O programa anunciado pelo governo pretende, exatamente, reverter esta tendência.

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Manifestantes saíram da Câmara, em POA

Manifestantes cumprem acordo e deixam a Câmara de Vereadores de Porto Alegre


Os manifestantes que ocupavam o plenário da Câmara Municipal de Porto Alegre começaram a deixar o local pacificamente, na manhã desta quinta-feira, conforme acordo realizado em audiência de conciliação entre representantes do Bloco de Luta Pelo Transporte Público e vereadores.

desocupação do prédio começou na noite de quarta-feira, quando metade do grupo, incluindo obrigatoriamente crianças e adolescentes, deixou o plenário. Os manifestantes completaram uma semana acampados no plenário nesta quarta. 

Na segunda-feira, a Justiça havia adiado o cumprimento da reintegração de posse, por entender que "a medida drástica de retirada forçada desses cidadãos não é o melhor caminho".
Antes de saírem, parte dos manifestantes tirou uma foto inusitada. Pelados em frente às fotos dos vereadores, os manifestantes postaram a foto nas redes sociais.

Será que vai?

Ministério Público no DF apura suspeita de sonegação envolvendo a Rede Globo

A Procuradoria da República no Distrito Federal (PR-DF) confirmou na terça-feira (16) que abriu apuração criminal preliminar para investigar suspeitas de sonegação envolvendo a Rede Globo. O procedimento foi iniciado na segunda-feira (15), com a distribuição do caso para um procurador responsável.
A apuração foi solicitada na última sexta-feira (12) por 17 entidades da sociedade organizada, entre elas, o Centro de Estudo das Mídias Alternativas Barão de Itararé, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra e o Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação. Eles alegam que o Ministério Público deve agir porque há indícios de lesão a bens federais.
De acordo com o grupo, as apurações tornaram-se necessárias devido a divulgação recente de documentos, até então sigilosos, sobre multa de mais de R$ 600 milhões à Rede Globo pela tentativa de sonegar impostos relativos à exibição da Copa do Mundo de 2002. Ainda segundo o grupo, também há suspeita de lavagem de dinheiro, de crimes contra órgãos da administração direta e indireta da União e de estelionato.
Com a abertura de procedimento preliminar, o Ministério Público tem prazo de 90 dias, prorrogáveis pelo mesmo tempo, para apurar as informações. Se houver indícios suficientes de crime, é aberto inquérito. Caso negativo, o procedimento é arquivado. A Procuradoria do DF ainda poderá encaminhar os documentos para o Rio de Janeiro, onde fica a sede da empresa.
Na semana passada, o Ministério Público Federal no Rio de Janeiro divulgou nota informando que acompanhava o caso desde 2005 e que não pediu abertura de inquérito policial por impeditivos legais relativos à restituição de valores fiscais. “Quanto aos demais tipos criminais aventados na mídia, o MPF entende que o enquadramento não seria aplicável por ausência de indícios”. O órgão também confirmou que documentos do caso foram extraviados por uma servidora da Receita Federal, que já foi processada e condenada pela Justiça.
Em nota, a Rede Globo disse que já não tem qualquer dívida em aberto com a Receita e que apenas optou, na época, por “uma forma menos onerosa e mais adequada no momento para realizar o negócio, como é facultado pela legislação brasileira a qualquer contribuinte”. A empresa informou que, após ser derrotada nos recursos apresentados à Receita, decidiu aderir ao Programa de Recuperação Fiscal da Receita Federal e fazer os pagamentos.
A empresa ainda destacou que desconhecia os fatos relativos a desvios de documentos no processo fiscal, pois não figurava como parte no processo. Segundo a Globo, os documentos perdidos foram restituídos com a colaboração da própria empresa, que desconhece os motivos que levaram a servidora a agir dessa forma.

quarta-feira, 17 de julho de 2013

História em quadrinhos sobre o escândalo de sonegação da Rede Globo

Maise detalhes em: http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2013/07/17/bomba-o-crime-da-baixada-agora-em-quadrinhos/

Novo livro de Juremir Machado da Silva

Juremir Machado lança "Jango: a Vida e a Morte no Exílio"


O jornalista e colunista do Correio do Povo Juremir Machado da Silva autografa “Jango: a Vida e a Morte no Exílio” (Editora L&PM), nesta quarta-feira, a partir das 19h, na livraria Saraiva do Moinhos Shopping (Olavo Barreto Vianna, 36). No livro, ele procura desconstruir os mitos sobre João Goulart - presidente fraco ou herói reformista - e resgata um personagem crucial na história do Brasil.

A publicação de Juremir não é romance ficcional, como foi “Getúlio” (2004), mas sim uma grande reportagem investigativa que busca detalhar os anos de exílio de Jango e elucidar os mistérios que envolvem a sua morte. O jornalista pesquisou durante três anos, entrevistou dezenas de pessoas que conviveram com o ex-presidente, leu mais de 10 mil páginas de documentos, processos, investigações, relatórios de CPIs, sentenças das justiças brasileira, argentina e uruguaia sobre o caso Goulart, além de informes dos serviços de espionagem dos países onde o político viveu. Ele teve acesso a cartas inéditas de Jango trocadas com o general Serafim Vargas, visitou prisões de segurança máxima do Rio Grande do Sul para conversar com supostos protagonistas dos fatos e leu a obra inédita e arquivos de Mario Neira Barreiro, réu confesso e figura decisiva da trama.

As ações políticas que levaram Jango a renunciar são esmiuçadas no livro, passando por sua gestão, com a proposta arrojada de promover uma Reforma Agrária; a realização da Marcha com Deus pela Família sendo financiada pelos Estados Unidos; o papel da imprensa e seu apoio aos militares; as tramas feitas pela direita e a preparação do Golpe; e a Operação Limpeza, em 1964, com 50 mil detidos, sendo centenas os que sofreram torturas prolongadas.

Em paralelo aos momentos dramáticos daquele período, Juremir expõe a intimidade de Jango, sua personalidade pacífica, seu fraco por bebidas e jogos, sua paixão pela esposa, o que não o impedia de ter amantes. Além de seus encontros e reflexões políticas com os amigos. Descreve ainda o pesar do presidente pela situação do Brasil e sua vontade de voltar ao país, mesmo com a vida ameaçada. Os cuidados constantes com a sua saúde e como, quando e onde surgiu a tese de assassinato são evidenciados. Uma das hipóteses é que Jango teria sido morto por meio de uma troca intencional de medicamentos. O processo de exumação do corpo do ex-presidente está em andamento e poderá desvendar esse mistério.

terça-feira, 16 de julho de 2013

Espanha pede desculpas a Evo Morales


O governo espanhol pediu na segunda-feira (15) desculpas à Chancelaria boliviana pelo incidente ocorrido com o avião do presidente Evo Morales na Europa, há duas semanas, e disse esperar que as relações bilaterais se mantenham boas.
A nota da Espanha dirigida à chancelaria da Bolívia foi entregue pelo embaixador espanhol em La Paz, Ángel Vázquez, que lamentou o procedimento do seu homólogo em Viena, Alberto Castro.
Morales acusou Alberto Castro de querer inspecionar o seu avião para verificar se viajava consigo Edward Snowden, que prestava serviços para a Agência Nacional de Segurança (NSA) dos Estados Unidos, que o governo norte-americano acusa de ter divulgado informação classificada.
“Lamentamos esse fato, apresentamos as nossas desculpas por esse procedimento, que não foi adequado”, diz o documento, que refere ainda que Evo Morales “foi colocado em uma posição difícil e imprópria para um chefe de Estado”.
Pitaco do blogueiro: 
O pedido de desculpas era o mínimo que o governo espanhol poderia fazer a respeito do incidente da semana passada.  Ah se fosse o contrário... Por isso a America Latina, mais do que nunca, deve estar unida e forte.


Marco civil da internet pode ser votado hoje

Nossa Internet vai virar TV a cabo?

Marco civil da Internet pode ser votado nesta terça-feira, mas neutralidade de rede não está garantida



Há chances de o marco civil da Internet ser votado nesta terça-feira, 16, na Câmara dos Deputados. As jornadas de junho e as revelações de Edward Snowden sobre os esquemas de espionagem dos Estados Unidos criaram espaço para que Projeto de Lei 2126/11, parado desde dezembro, voltasse a ter chances de aprovação. 

Para quem não acompanha de perto, vale esclarecer: o marco civil é um projeto de lei que, basicamente, estabelece os direitos do usuário da internet, no Brasil. Na prática, servirá para impor limites às ações das empresas e do Estado em relação à rede, de forma a garantir que a internet continue uma rede aberta e livre, ao mesmo tempo em que se aprofundam direitos como acesso e privacidade. 

O principal obstáculo para aprovação do projeto é a posição das empresas de telecomunicações contra a neutralidade de rede. Este princípio garante que todo o tráfego da internet seja feito de maneira isonômica, “sem distinção por conteúdo, origem e destino, serviço, terminal ou aplicativo”. 

Na prática, a aprovação deste princípio impede várias situações: 

1) as empresas não poderão degradar o tráfego de alguns aplicativos a seu critério. Por exemplo: a Oi não tem interesse que o usuário use Skype, porque isso diminui seu faturamento com ligações interurbanas, então ela pode ‘farejar’ os pacotes da internet, perceber que aqueles dados se referem ao Skype e diminuir sua velocidade para desencorajar o usuário a usar o serviço. Embora essa prática já possa ser considerada ilegal, a lei deixaria isso claro;
2) as empresas de telecomunicações não poderiam vender pacotes que diferenciam a internet por outros critérios que não a velocidade. Hoje, há pacotes que incluem apenas alguns sites e aplicativos. Isso permite às empresas de telecomunicações dois tipos de prática: criar pacotes diferenciados, de acordo com os serviços mais utilizados (por exemplo, internet com vídeos ser mais cara que internet sem vídeos) e estabelecer acordos comerciais com empresas para que só o site dela possa ser acessado (por exemplo, compre este pacote barato e acesse seu e-mail, o Facebook e o site de determinada empresa); 

3) outra prática impedida é a de estabelecer acordos comerciais com grandes provedores de aplicações (como Google/YouTube e Facebook) para garantir prioridade de tráfego. O problema dessa opção não é tirar recursos dos grandes, mas criar dificuldades e barreiras comerciais para os pequenos. 

Ou seja, a lei impede que vários parâmetros da internet, que hoje são tratados majoritariamente de forma neutra, sejam transformados em mercadoria. Em outras palavras: impede que as empresas criem dificuldade para vender facilidade. Sem esse princípio, em pouco tempo, a internet deixará de ser como conhecemos. Ela ficará mais próxima de um serviço de TV a cabo, em que a operadora tem controle sobre o que é transmitido, impedindo que toda a oferta de conteúdo se dê em bases isonômicas, além da possibilidade de vender pacotes diferentes para o usuário, impedindo também que o acesso se dê em bases isonômicas. 

Na negociação do texto, uma das propostas das empresas foi retirar a obrigação de tratar os pacotes de forma isonômica em relação ao serviço. Elas querem garantir pelo menos que os exemplos 2 e 3 acima sejam permitidos. O problema é que na palavra “serviço" reside a garantia da manutenção da internet como a conhecemos. O que parece um ajuste de texto é uma descaracterização total do projeto.
Há ainda outros pontos polêmicos no marco civil. Por pressão de grandes produtores de conteúdo, em especial da Rede Globo, o projeto dá tratamento diferenciado à retirada de conteúdo que infrinja direitos autorais. Ele estabelece que os provedores de aplicações não podem ser responsabilizados por danos de conteúdo alimentado por terceiros. Até aí, ótimo, porque a responsabilidade tem de cair especificamente em quem aporta esses conteúdos. O problema é que a regra não vale para infrações de direitos autorais. Isto vai criar sobre esses provedores (como YouTube e Facebook) uma enorme pressão pela retirada imediata de conteúdos que possam vir a ser considerados infringentes mesmo sem qualquer ordem judicial. Na prática, uma restrição grave à liberdade de expressão dos usuários e uma super proteção aos detentores de direitos autorais.
O marco civil está longe de resolver todos os problemas relativos à internet. Ele não garante a proteção de dados pessoais, mas para isso há um projeto específico sendo elaborado. Ele não cria mecanismos para enfrentar o poder de mercado avassalador de empresas como Google e Facebook, embora a proposta de inclusão que está sendo feita pelo Governo, que obriga essas empresas a manter os registros de acesso a essas aplicações também no Brasil, possa ajudar nisso. Mesmo com esses limites, o marco civil é um passo inicial indispensável; sem ele, seguiremos totalmente vulneráveis ao poder econômico das grandes corporações.

sábado, 13 de julho de 2013

Mercosul reintegrado

Paraguai será reintegrado ao Mercosul em agosto, anuncia Cúpula

O Paraguai será reincorporado automaticamente ao Mercado Comum do Sul (Mercosul) após o dia 15 de agosto, tão logo Horacio Cartes assuma a Presidência da República. A decisão foi anunciada hoje (12), na capital uruguaia, durante a 45ª Cúpula de Chefes de Estado e de Governo do Mercosul.
O Paraguai foi suspenso do bloco no ano passado, após o impeachment do então presidente Fernando Lugo, em um julgamento que os demais integrantes do Mercosul consideraram uma ruptura da ordem democrática.
Documento lido no encontro pelo chanceler uruguaio, Luis Almagro, assinala que a suspensão, decidida no dia 29 de junho do ano passado, terminará com a posse do novo governo constitucional do Paraguai. Segundo o comunicado, o Paraguai cumpriu os requisitos estabelecidos pelo Artigo 7 do Protocolo de Ushuaia sobre Compromissos Democráticos e, após 15 de agosto, reassumirá plenamente seu direito de participar dos órgãos do Mercosul e das deliberações do bloco.
Ainda conforme o documento, a decisão de reintegrar o Paraguai ao Mercosul mostra que os sócios plenos do bloco avaliaram positivamente a realização de eleições gerais, no dia 21 de abril passado, de acordo com o cronograma oficialmente anunciado pela Justiça Eleitoral do país, em cumprimento da legislação vigente.
Além disso, conclui o comunicado, com a participação plena do Paraguai nos trabalhos do Mercosul, criam-se novas condições para o fortalecimento do processo de integração regional por meio do esforço conjunto de todos os seus membros.

Fonte: www.sul21.com.br


sexta-feira, 12 de julho de 2013

Sobre a espionagem dos E.U.A.

Uma charge engraçadinha...
Extraído de :http://www.rodrigovianna.com.br/

Inaugurado o maior parque eólico do mundo

Reino Unido inaugura o maior parque eólico no mar do mundo

O London Array é um gigante que emerge no Mar do Norte com 175 turbinas capazes de produzir energia suficiente para abastecer quase meio milhão de casas

O maior parque gerador de energia eólica "offshore" foi inaugurado nesta quinta-feira no Reino Unido. Ocupando uma área de 100 km², o London Array é um gigante que emerge no Mar do Norte com suas 175 turbinas aerogeradoras, capazes de produzir energia suficiente para abastecer quase meio milhão de casas por ano.
O projeto de 630MW é de propriedade da empresa Dong Energy, da Dinamarca, da alemã E.On e da Masdar, de Abu Dhabi. Anualmente, segundo o consórcio, o parque eólico deverá evitar emissões de 925 mil toneladas de CO2.
Com 3.6 GW de capacidade instalada de fontes em alto mar, o Reino Unido mantém a liderança mundial na indústria eólica offshore (entidades situadas fora do país de domicílio de seus proprietários ) e deverá ter em torno de 18GW até o final da década. Já no ranking geral de energia eólica (tanto em mar quanto em terra), o país ocupa a sexta colocação, com cerca de 3% de participação mundial.
Segundo estudo do Conselho Global de Energia Eólica, no ano passado, a despeito da crise, o país teve um bom desempenho - instalou mais 1,9 mil MW, respondendo por 4,2% do crescimento mundial do setor no período.