Google+ Followers

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Absurdo no Colégio Militar, em Porto Alegre

Após ser afastada por discordar de livro didático, professora ganha na Justiça direito de dar aulas
Uma professora de história do Colégio Militar de Porto Alegre conseguiu na Justiça Federal o direito de retomar suas atividades na escola depois de ser afastada por discordar do uso em sala de aula de um livro didático pró-ditadura.
Silvana Schuler Pineda, de 50 anos, se recusou a adotar em classe obras da “Coleção Marechal Trompowsky”, em que, segundo ela, são omitidas violações aos direitos humanos, assassinatos e tortura promovidas pelas Forças Armadas durante o regime militar (1964 – 1985).
Os livros da série são editados pela Biblioteca do Exército. De acordo com Silvana, o golpe de 1964 é explicado como necessário para resguardar a democracia no país diante do avanço do comunismo no governo de João Goulart.
A professora, que integra o quadro de servidores civis da instituição, foi afastada em abril das aulas do nono ano e realocada em um curso preparatório, de frequência opcional, e também em tarefas de planejamento.
Antes disso, ela afirma ter feito críticas ao livro em uma reunião de professores, na qual mencionou que a Associação Nacional de História contesta o uso da obra nas escolas.
A decisão que determinou a volta ao trabalho original foi tomada no início do mês, mas ela só voltará as aulas após o fim do recesso escolar de julho. O juiz federal Gabriel von Gehlen escreveu em despacho que o afastamento foi uma “sanção velada”.
Pitaco do blogueiro:
Nada mais absurdo do que essa medida do Colégio Militar. Cercear o trabalho de uma professora por discordar de um livro didático. Realmente, em nada me espanta o fato de o colégio concordar com o livro didático que trata o golpe militar como benéfico para a democracia do país. Com certeza, liberdade e democracia não estão entre as premissas básicas da educação, naquele estabelecimento de ensino. O Colégio Militar é reconhecidamente uma instituição de qualidade. No entanto, não pode, de maneira nenhuma, impedir uma professora de discordar de um livro didático. A pluralidade de ideias é fundamental, em todos os âmbitos, inclusive no Colégio Militar.


Nenhum comentário:

Postar um comentário